A AUTOFAGIA DO JUDICIÁRIO

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”616″ img_size=”full” alignment=”center”][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”vc_default” css=”.vc_custom_1469738299512{padding-right: 10% !important;padding-left: 10% !important;}”][vc_column][vc_empty_space height=”15px”][ult_buttons btn_title=”Voltar” btn_link=”url:http%3A%2F%2Fwww.silveiraribeiro.adv.br%2Fdev%2F|title:Voltar||” btn_title_color=”#3d3d3d” btn_bg_color=”rgba(224,224,224,0.01)” btn_anim_effect=”ulta-grow” icon=”Defaults-chevron-left” icon_size=”32″ icon_color=”#3d3d3d” btn_icon_pos=”ubtn-sep-icon-at-left” rel=”botão voltar” el_class=”bt-voltar”][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”vc_default” css=”.vc_custom_1469475645294{margin-right: 10% !important;margin-left: 10% !important;}”][vc_column][vc_row_inner css=”.vc_custom_1469742170547{padding-right: 5% !important;}”][vc_column_inner][vc_raw_html]JTNDZGl2JTIwY2xhc3MlM0QlMjIlMjIlM0UlMEElMEElMjAlMjAlMjAlMjAlMjAlMjAlMjAlMjAlM0NkaXYlMjBjbGFzcyUzRCUyMnRpdGxlLWZ1bGwlMjIlM0UlMEElMjAlMjAlMjAlMjAlMjAlMjAlMjAlMjAlMjAlMjAlM0NkaXYlMjBjbGFzcyUzRCUyMmltZy10aXRsZSUyMiUzRSUwQSUyMCUyMCUyMCUyMCUyMCUyMCUyMCUyMCUyMCUyMCUyMCUyMCUzQ2ltZyUyMHNyYyUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZ3d3cuc2lsdmVpcmFyaWJlaXJvLmFkdi5iciUyRmRldiUyRndwLWNvbnRlbnQlMkZ1cGxvYWRzJTJGMjAxNiUyRjA3JTJGYXJ0aWdvcy5wbmclMjIlMjBhbHQlM0QlMjJBcnRpZ29zJTIwc2lsdmVpcmElMjByaWJlaXJvJTIyJTJGJTNFJTBBJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTNDJTJGZGl2JTNFJTBBJTBBJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTNDZGl2JTIwY2xhc3MlM0QlMjJwZy10aXRsZSUyMiUzRSUwQSUyMCUyMCUyMCUyMCUyMCUyMCUyMCUyMCUyMCUyMCUyMCUyMCUzQ2gxJTNFQXJ0aWdvcyUzQyUyRmgxJTNFJTBBJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTNDJTJGZGl2JTNFJTBBJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwJTNDJTJGZGl2JTNF[/vc_raw_html][vc_empty_space height=”15px”][/vc_column_inner][/vc_row_inner][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”vc_default” css=”.vc_custom_1470842677618{padding-right: 10% !important;padding-left: 10% !important;}”][vc_column width=”7/12″][vc_column_text]Eustáquio Silveira *

Negar a existência desse tipo de pessoa nos quadros do Judiciário é abstrair a rea-lidade das coisas. Em todos os lugares. em todas as cor-porações. existem os bons e os maus profissionais. e o Ju-diciário não está imune a isso.
Felizmente. a grande maioria dos juízes brasileiros é constituída de pessoas sé-rias. abnegadas e compene-tradas. que dedicam a sua vi-da e o seu tempo a um ver-dadeiro sacerdócio. lutando contra todos os tipos de adversidades.
O que é necessário fazer. portanto. é extirpar as feri¬das. através de atuação vigi¬lante. incansável e rigorosa dos órgãos correcionais dos tribunais. que atinja. inclusi¬ve. os seus próprios mem¬bros. de vez que estes não são e não devem ser cida¬dãos acima da lei; pelo con¬trário. são aqueles que de¬vem cumprir a lei acima de tudo.
Se assim não for. Passará em breve. a sociedade a questionar a própria existên-cia do Poder Judiciário.
A Autofagia do Judiciário
O Judiciário brasileiro. certamente. passa por uma grave crise existencial.
Após a promulgação da
Constituição “Cidadã”. os . pleitos pelos direitos indivi-duais. coletivos e sociais se multiplicaram. desaguando todos na Justiça. que se viu. então. sobrecarrega da em seu trabalho.
Tal situação agudece a responsabilidade dos órgãos judiciais. exigindo dos juízes e dos tribunais não só uma atividade redobrada. quanto maior cuidado em suas deci-sões, dada a repercussão inusitada que estas passa¬ram a ter no seio da opinião pública.
Estamos vendo. todo dia. a cobrança nos meios de comunicação por um Judiciá-rio mais rápido. mais eficaz e. sobretudo. mais corajoso.
Nesse quadro. não exis¬te lugar para o juiz pusilâmi¬ne. que se acordava diante da complexidade da causa ou da sua magnitude, nem para aquele que pensa que tudo pode. arbitrário. autori¬tário. Ambos devem mere¬cer o repúdio dos jurisdicio¬nados e de seus pares por¬que. afinal. Depõem contra a
imagem do Poder que repre-sentam e não cumprem o seu verdadeiro papel.
É preciso que os juízes e tribunais se compenetrem da gravidade da situação e deixem de praticar a autofa¬gia do Judiciário .
Não há pior juiz, por exemplo. do que aquele que busca a notoriedade. Que só decide pensando na reper-cussão favorável que a sua decisão terá na mídia e, com esse objetivo. prática todas as ilegalidades e abusos ima-gináveis, passando ao largo da lei e da ordem jurídica. Magistrado como esse não pode exercer a função que exerce. não está preparado para representar o Estado na sua atividade juriscicio¬nal Deve ser extraído dos quadros da magistratura. porque a ela desserve.
Outro não deve ser o tra-tamento a ser dado àqueles que se negam a prestar a tu¬tela jurisdicional. seja por preguiça. descaso ou mesmo . por medo de desagradar. Is¬so sem falar nos corruptos. nos benevolentes e nos que decidem para satisfazer inte-resses seus ou de outrem. Que aplicam a anti-regra dos
“dois pesos e duas medidas”.
(*)Juiz do Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

[/vc_column_text][/vc_column][vc_column width=”5/12″][mpc_grid_posts cols=”1″ gap=”0″ taxonomies=”3″ order=”DESC” items_number=”5″ layout=”style_9″ title_overflow=”true” title_font_color=”#ffffff” title_font_size=”18″ title_font_transform=”uppercase” meta_layout=”date” meta_font_color=”rgba(255,255,255,0.01)” meta_link_color=”#ffffff” meta_tax_separator=”” description_disable=”true” background_color=”rgba(255,255,255,0.01)” border_css=”border-color:rgba(0,0,2,0.01);” mpc_button__disable=”true” class=”artg”][/vc_column][/vc_row]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *