TRF1 RECONHECE ILEGALIDADE EM EXCESSO DE PENHORA

TRF1 RECONHECE ILEGALIDADE EM EXCESSO DE PENHORA

Quando por vários meios o credor puder promover a execução, o juiz mandará que se faça pelo modo menos gravoso para o devedor.

Aplicando o princípio da Menor Onerosidade, previsto no art. 620 do CPC, a Desembargadora Federal Ângela Catão deu provimento ao agravo de instrumento, interposto pelo GRUPO OK EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA, que discutia excesso de penhora efetivado em execução fiscal promovida em seu desfavor.

Ao assim decidir, a Desembargadora reformou a decisão proferida pelo Juiz Federal da 19° Vara da Seção Judiciária do Distrito Federal, a qual determinou a penhora sobre os valores de aluguéis.

A Magistrada ressaltou ainda que a ampliação da penhora para alcançar os alugueis em discussão somente é cabível quando for constatada, por prévia avaliação judicial, a insuficiência dos bens já penhorados para garantir o crédito a ser satisfeito em juízo, o que constatou não estar caracterizado na espécie.

O direito da empresa foi defendido pelo escritório jurídico Silveira, Ribeiro e Advogados Associados.

Processo Relacionado: AI n. 0035183-42.2015.4.01.0000/DF

Ultimas postagens

A Sétima Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, referendando decisão do Juiz da 5ª Vara da Fazenda Pública, nos autos de mandado…

O Ministro Napoleão Nunes Maia, em decisão monocrática, preservou a competência do Juízo da Quarta Vara Cível e de Acidentes de Trabalho da Comarca de…

  EMENTA ADMINISTRATIVO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO ORDINÁRIA.  PROCEDIMENTO DE LICITAÇÃO. CONTRATO ADMINISTRATIVO. RESCISÃO CONTRATUAL. DESCONSTITUIÇÃO. Hipótese em que há fortes elementos a indicar que…

  Justiça de São Paulo autoriza cartórios a protestar contrato de honorários  31 de outubro de 2017, 15h11 Seguindo o previsto no novo Código de…

  A SÉTIMA TURMA DO TRF1, COM QUÓRUM AMPLIADO, CONFIRMA QUE A REDE TV NÃO É SUCESSORA TRIBUTÁRIA DA ANTIGA TV MANCHETE Concluindo o julgamento…

  Cobrança do adicional de 1% da Cofins-Importação deve respeitar anterioridade nonagesimal Decisão é do TRF da 4ª região. segunda-feira, 30 de outubro de 2017…